Atento às necessidades de expansão de comunicação e colaboração das instituições de pesquisa e educação superior (IPEs), o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) está articulando uma iniciativa de grande alcance: o Projeto Rede-Conhecimento.

O objetivo é criar uma nova e robusta infra-estrutura nacional óptica de alta capacidade para comunicação, computação e conhecimento, operando em patamar de velocidade de múltiplos gigabits e integrando ações de computação de alto desempenho e bibliotecas digitais.

Rede-Conhecimento vai integrar nacionalmente
ações de computação avançada e bibliotecas 
digitais por meio de uma infra-estrutura óptica 
de alta capacidade

Hierarquia de composição das redes acadêmicas

Hierarquia de composição das redes acadêmicas.

Primeira etapa da topologia prevista para a nova rede da RNP: os PoPs em laranja representam conexões gigabit, os demais, indicam conexões megabit

Primeira etapa da topologia prevista para a nova rede da RNP: os PoPs em laranja representam conexões gigabit,os demais, indicam conexões megabit.

O Projeto Rede-Conhecimento prevê a integração de ações das seguintes instituições:

  • Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) – que estará responsável pela melhoria e ampliação da infra-estrutura nacional de rede;
  • Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) - cujas ações estarão voltadas para a Biblioteca Digital Brasileira, que dará acesso a acervos digitais já existentes, como a Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD), e outros que deverão ser criados até 2007, como o Portal de Livros Didáticos Eletrônicos do Ministério da Educação (MEC);
  • Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) - responsável pelo desenvolvimento do sistema de computação de alto desempenho, que inclui a atualização do Sistema Nacional de Processamento de Alto Desempenho (Sinapad) e o desenvolvimento de novas soluções, como computação em grade, voltadas para atender as demandas de áreas como previsão de clima e tempo, física de altas energias, nanotecnologia e genômica.

A nova infra-estrutura da rede nacional está prevista para ser implementada em 2005, com a ativação de conexões de, no mínimo, 2,5 Gbps, atingindo 10 pontos de presença nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste. A meta é ativar conexões multigigabit entre todos os estados do país até 2007.

A nova rede trará mais integração e tornará possível um atendimento, em maior escala e melhor qualidade, à pesquisa de ponta em várias áreas. Ganharão força as ações de grande impacto em educação a distância e saúde. Além disso, esta integração permitirá ampliar as ações do LNCC, de processamento de alto desempenho, e do Ibict, de criação da Biblioteca Digital.

Neste novo cenário, o projeto Redecomep permitirá que a nova rede nacional avançada chegue até as instituições de ensino e pesquisa localizadas nas principais áreas metropolitanas do país.